Aventuras na Chucruteslândia

a terra da batata, da cerveja e das mulheres de peito grande e zero de bunda

  • Sobre o Blog

    Este foi um espaço usado por cerca de 1 ano, o que durou a fantástica experiência de largar tudo, trabalho, família e casa, e ir para a Alemanha, em Freiburg, para passar 1 ano estudando e pensando na vida.

    Funcionou, já que voltei e mudei minha vida de uma forma que não imaginava, e de que não me arrependo nem um pouco.

    Ficam agora as memórias das viagens, dos micos e dos novos amigos conquistados. Conheci gente de todo canto, principalmente no curso. Deixe-me tentar listar: alemães, russos, chineses, algerianos, turcos, sul-coreanos, italianos, croatas, iugoslavos, ucranianos, tailandeses, indianos, nepaleses, romenos, franceses, espanhois, portugueses, holandeses, islandeses, etc. (devo ter esquecido de algum, mas sa para ter uma idéia!!)

  • Utilidade

    Espero que tenha alguma utilidade para você, visitante, que deve ter encontrado em alguma pesquisa ou link perdido internet afora.

    Bom proveito.

    Qualquer coisa, deixe um comentário que responderei com prazer.

Nazismo. Homenagem às vítimas: Pedras do Tropeço

Posted by mLopes on Monday, 30 June 2008

Pedras douradas ‘Stolpersteine’ para homenagear os mortos no Holocausto são instaladas em centenas de cidades, defronte ao local onde moravam as vítimas

Estima-se em cerca de 6 milhoes o total de vítimas do Nazismo. Além dos judeus, os mais conhecidos, estao também incluídos os demais grupos que sofreram com o regime, como testemunhas de jeová, ciganos, religiosos opostos ao sistema, vítimas de eutanásia, opositores políticos e outras minorias étnicas.

Em 1993 o artista plástico alemão Gunter Demnig iniciou um projeto de homenagem às vítimas, que consiste na instalação de pedras douradas em frente ao local onde vivia cada uma das vítimas do nazismo. Na pedra consta a inscrição “Aqui morou”, o nome, nascimento e destino de cada uma delas, normalmente um campo de concentração. Na foto do exemplo: “Aqui morou Edith Stein, nascimento 1891, presa em 1938 na Holanda, Campo de Concentração de Westerbork, Assassinada em 1942, em Auschwitz“.

Aqui em Freiburg, pelo menos no centro, as pedras estao por todo lado. Não é difícil encontrar locais com várias pedras juntas, as vezes 8 ou 10, muitas vezes todas da mesma família. Realmente triste. Difícil até imaginar como tenha sido aquela época.

O projeto é financiado principalmente por doações de pessoas e grupos que apoiam a idéia de prestar homenagem e “polir a memória” dos seres humanos que foram brutalmente dizimados. Cada pedra tem 10×10 cm e custa cerca de 95 euros para confecção e instalação. Estima-se que já sejam mais de 20 mil instaladas em mais de 300 cidades alemãs e outros países, como Holanda, Áustria e Hungria. Os nomes e locais são pesquisados em arquivos e histórico das comunidades, muitas vezes por escolas ou pessoas voluntárias. Depois de muitas discussões, autoridades dos países hoje já apoiam as iniciativas.

Apesar do nome Pedras do Tropeco, em alemao Stolpersteine, elas nao atrapalham o caminhar. Mas para ler o que nelas está escrito “é preciso se curvar perante cada nome”.

Justíssima homenagem. Belo projeto.

stolperstein-1stolperstein-4stolperstein-2

Palavra do dia: “”. Silencio.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: